#26 A minha experiência com… Bons sonhos, meu amor, de Dorothy Koomson

img_20160102_202016.jpg

E esta é já a terceira leitura que faço de Dorothy Koomson! “Bons sonhos, meu amor” foi uma obra que inclui na Maratona Especial de Natal, como romance e um livro sobre crianças. Iniciei-o durante a Maratona, mas só o terminei no dia 31 de Dezembro, perfazendo um total de 37 livros lidos em 2015. Terminei, assim, o ano com um romance repleto de emoções e esperança.

Esta é uma história de perdas, de traição, de sacrifícios e fidelidade. “Bons sonhos, meu amor” traz-nos a história de Leo, um menino de 8 anos que, depois de sofrer um aneurisma, está às portas da morte. Face a esta tragédia, desenrola-se a história das circunstâncias invulgares do seu nascimento: os seus pais são Nova e Mal, dois grandes amigos que partilharam uma vida e seriam capazes de qualquer coisa um pelo outro. Por isso, quando Mal pede a Nova para ser “mãe de substituição” ou “barriga de aluguer” do seu filho, esta aceita, independentemente das consequências que possa ter. Porém, quando Steph, a mulher de Mal, volta atrás na sua decisão, Nova sofre uma grande desilusão e perde o seu grande amigo. Decide, porém, ficar com a criança que lhe iria entregar, e que agora quer que conheça o seu verdadeiro pai, antes que seja tarde demais.

Este romance de Dorothy Koomson voltou a conquistar-me, pelo que, decididamente, a autora tem um ponto forte que são as histórias com crianças. Não há dúvida que, à semelhança de “A Filha da minha melhor amiga”, este livro consegue explorar muito bem todas as situações dramáticas e relações entre as personagens, prendendo o nosso interesse de modo constante. Dorothy volta a ser bastante credível e complexa na forma de abordar as problemáticas e as vivências subjetivas de cada personagem. Um outro factor de sucesso, para mim, é ter construído protagonistas fortes e corajosos, como Nova. Esta mulher tem uma força de carácter e uma capacidade de abnegação excecionais, sendo ainda assim humana e vulnerável. Assim, nota-se a capacidade brilhante de Dorothy Koomson se servir de histórias de vida verosímeis, com grande semelhança com a realidade, e de as retratar com tanta sensibilidade e talento.

O romance vive, assim, de analepses que não deixam nenhum pormenor ao acaso. As relações familiares também são um ponto forte deste livro, magistralmente explorado, de tal forma que reaprendemos o significado do amor incondicional. Porém, nalguns momentos senti que a autora inventou pormenores desnecessariamente rebuscados, o que ainda assim não denegriu o meu entusiasmo pelo livro.

Assim, a minha última leitura de 2015 marcou o ano de forma positiva, e faz-me querer continuar a apostar nos romances desta autora. Aconselho a todos os que gostem de uma boa história de nos fazer chorar e ter esperança ao mesmo tempo.

Um Bom Ano de 2016, recheado de grandes leituras!

img_20160102_202044.jpg

Classificação: **** (Muito bom)

Link no Goodreads: https://www.goodreads.com/book/show/6396080-bons-sonhos-meu-amor


Editora: Porto Editora (http://www.portoeditora.pt/)

1ª Edição: 2009

Páginas: 445

Apresentação: Capa mole

Advertisements

2 thoughts on “#26 A minha experiência com… Bons sonhos, meu amor, de Dorothy Koomson

    • Olá Dora, sê muito bem-vinda!
      Para algumas pessoas até poderá ser, mas acho que, dentro do género, ela consegue abordar os temas com a seriedade e sensibilidade necessárias, o que torna as suas histórias credíveis.
      Obrigada por comentares.
      Raquel

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s